Blog

Pesquisadores criam aparelho portátil que transforma água do mar em potável

Por: Lohrrany Alvim
06/05/2022 – 09h55

O aparelho já está disponível para venda na internet e custa cerca de R$ 254.(Foto reprodução Internet)

 

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), desenvolveram um dessalinizador portátil, que também é capaz de remover partículas da água, tornando-a própria para o consumo. O aparelho pesa menos de 10 kg e possui o tamanho de uma mala de viagem média. Uma das vantagens é que a criação precisa de menos energia para funcionar do que o necessário para recarregar um aparelho celular.

O resultado do processo é uma água potável, inclusive excedendo os padrões de qualidade estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde, segundo os pesquisadores. O modo de usar é bem simples: o dispositivo funciona com o apertar de apenas um botão. Os pesquisadores projetaram o aparelho justamente para não especialistas. Ao contrário de outras unidades portáteis de dessalinização, que exigem que a água passe por filtros, essa máquina utiliza energia elétrica para remover tais partículas da água.

“Este é realmente o culminar de uma jornada de 10 anos em que eu e meu grupo estivemos. Trabalhamos durante anos na física por trás dos processos individuais de dessalinização, mas colocar todos esses avanços em uma caixa, construir um sistema e demonstrá-lo no oceano, foi uma experiência realmente significativa e gratificante para mim”, declara Jongyoon Han, um dos autores do estudo e professor de engenharia elétrica e ciência da computação, de engenharia biológica e membro do Laboratório de Pesquisa em Eletrônica (RLE).

Aparelho sem filtro

É comum encontrar unidades de dessalinização portáteis com bombas de alta pressão para empurrar a água através dos filtros, e que são muito difíceis de serem reduzidas em tamanho sem comprometer a eficiência energética do dispositivo, de acordo com Junghyo Yoon, outro autor do projeto. Pensando nisso, a tecnologia desenvolvida do grupo se baseia em uma técnica chamada polarização de concentração de íons (ICP, da sigla em inglês), criada por eles.

Em vez de filtrar a água, o processo ICP aplica um campo elétrico às membranas colocadas acima e abaixo de um canal de água. O processo remove sólidos dissolvidos e suspensos, permitindo que a água limpa passe pelo canal.

A eliminação da necessidade de substituição de filtros também reduz consideravelmente os valores gastos com manutenção a longo prazo, o que pode ser um incentivo para que a unidade seja implantada em áreas remotas e com recursos limitados, como em pequenas ilhas ou a bordo de navios de carga marítimos, por exemplo.

Testes na praia

Depois de realizar experimentos em laboratório, os pesquisadores testaram o dispositivo em Carson Beach, em Boston. Eles colocaram a caixa na praia e jogaram o tubo de alimentação na água. Em cerca de meia hora, o dispositivo encheu um copo de plástico com água própria para consumo.

“Foi um sucesso, mesmo em sua primeira execução, o que foi bastante emocionante e surpreendente. Mas acho que a principal razão do nosso sucesso é o acúmulo de todos esses pequenos avanços que fizemos ao longo do caminho”, conclui Han.

O aparelho já está disponível para venda na internet por US$ 50, cerca de R$ 254 em conversão. A ferramenta é acompanhada de um pequeno painel solar portátil, que também é capaz de alimentar a máquina.

Veja também: Brasileira cria garrafa que limpa água e concorre a prêmio internacional

> Voltar

© Copyright 2018 - Rádio Rio de Janeiro

Tsuru Agência Digital
Desenvolvido pela